5 histórias sobre partidas combinadas no histórico do futebol

Combinação de partidas e Simulação – O futebol não é apenas rico em belas partidas e golos brilhantes. É também rico em feitos desagradáveis também. Vamos dar uma espiada em 5 deles:

A vergonha de Marseille

marseille winning title

Em maio de 1993, Marseille estava bem perto de ganhar o 5º título. Causa para celebração no caso de uma vitória sobre o Valenciennes o que resultaria no título de campeão nacional. E foi o que aconteceu e o Les Olympiens estavam jubilosos. Entretanto, após a policia encontrar um envelope gordo cheio de dinheiro na casa do atacante do Valenciennes, Christophe Robert, e a confissão do jogador implicou diretamente no Presidente do Marseille,Bernard Tapie em suborno de si e mais dois outros jogadores do Valenciennes, a situação foi revertida. Marseille não apenas perdeu o título, mas também foram tirados da Copa Europeia para a temporada seguinte, eles foram banidos de participar da UEFA e da Super Copa Intercontinental, e Bernard Tapie foram enviado à prisão onde ficou por 8 meses.

Escandalo do futebol brasileiro sobre partidas combinadas.

Um dos maiores escandalos na história do futebol brasileiro foi descoberto em 2005. Dois árbitros – Edilson Pereira de Carvalho e Paulo Jose Danelon, foram presos pela policia, interrogados, e sob a pressão de provas irrefutáveis, eles confessaram ser subornados para assegurar que os resultados de um número de partidas chave do Campeonato Brasileiro tivessem os resultados requeridos de um conjunto de certos “homens de negócios”. Estes foram investidores (os quais não foram nomeados) cooperando com dois sites de apostas e consequentemente fizeram milhões das apostas de partidas combinadas. Um total de 11 partidas foram suspeitas de serem combinadas e por ordem judicial elas foram anuladas, apesar dos esforços das equipas para revogar a decisão.

Escandalo de apostas do futebol britânico de 1915

Este é provavelmente, se não o mais velho, um dos mais antigos casos de combinação de partidas. Envolveu as equipas do Manchester United e Liverpool e remonta aos tempos de 1915. Manchester estava à beira do rebaixamento e desesperadamente precisava ganhar. Liverpool estava no meio do tabuleiro e com nada a procurar. Os jogadores das duas equipas concordaram em finalizar a partida com a vitória do Manchester por 2-0. No topo disto eles colocaram apostas sobre o resultado. A partida foi jogada numa boa sexta-feira e de fato acabou com o resultado concordado. Entretanto, a performance no campo foi uma oferta tão morta que até mesmo os fãs devotos do Manchester reconheceram a “falta de vontade” do Liverpool de ganhar o jogo.

bundesliga2005

Escandalo Italiano “Calciopoli”

Este é provavelmente o caso mais difundido de partida combinada na história do futebol pendendo resultado judicial do escandalo “Coreopolis” na Grécia, o qual irá superá-lo de longe. Tudo começou com a investigação da companhia de consultas GEA World S.pA. As descobertas revelaram que o envolvimento de clubes italianos de topo de ambas séries A e B na criação de uma vasta rede de árbitros selecionados e oficiais que iriam arbitrar as partidas. As equipas eram: Juventus, Milan, Fiorentina, Lazio e Reggina. A investigação veio a luz com transcrições de gravações telefonicas das conversas entre gerentes, oficiais e organizações adquiridas pela policia após uma ordem judicial para levantar todas as injunções legais sobre o monitoramento das conversas pessoais por telefone. 26 indivíduos foram trazidos à justiça juntamente com as equipas mencionadas, as quais foram submetidas a diversas punições, variando desde multas, perdas de pontos na tabela, até rebaixamento para uma categoria inferior.

Escandalo da Bundesliga

Uma fraude do futebol de € 2 milhões foi descoberta na Alemanha em 2005 e enviou ondas de choque para toda a infraestrutura alemã de futebol. O árbitro Robert Hoyzer admitiu manipular resultados nas partidas da segunda e terceira ligas da Alemanha e da Copa Alemã. Sua combinação de partida mais eficiente foi o jogo entre Hamburg e Paderborn, no qual ele expulsou Emile Mpenza e fez chamadas para dois penaltis ambivalentes. A sentença original exigia um imprisionamento de 29 meses, mas Hoyzer foi liberado apenas um ano depois de seu encarceramento.